nfora

18.09.2014

* Conheça mitos e verdades sobre o azeite de oliva

fonte: http://gazetaonline.globo.com

Médico diz que o óleo pode ser aquecido sem prejuízo à saúde

Que o azeite é ótimo para a saúde, quase todo mundo já ouviu falar. E quem gosta do óleo de oliva também sabe que ele não pode ser esquentado porque perde suas propriedades benéficas e, pior, pode até fazer mal à saúde. Certo? Errado!

Pelo menos é o que garante o médico nutrólogo Carlos Alberto Nogueira de Almeida, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). Para ele, tudo não passa de um mito. 

O médico explica que o azeite tem duas grandes propriedades benéficas. A primeira é a composição de ácidos graxos (moléculas que formam a gordura), e a outra é sua quantidade de substâncias antioxidantes. O que a temperatura pode modificar é a concentração de antioxidantes presentes no óleo.
 

Anacarla se preocupa em ter alimentação saudável e usa o azeite todos os dias. Mas sempre ouviu falar que ele não deve ser esquentado


“O calor não muda em nada o ácido graxo do azeite. Diminui um pouco a quantidade de antioxidantes. Ou seja, nesse aspecto, o consumo frio é um pouco melhor, mas ele ainda é uma opção muito saudável quente. Não vai fazer mal para a saúde ou perder completamente suas propriedades. Muito menos se tornar tóxico”, afirma.

Irmã de nutricionista, a professora Anacarla Rolim sempre ouviu falar dos benefícios do azeite e, por isso, o óleo faz parte da sua alimentação. Mas ela também acreditava que as vantagens só existiam se ele fosse consumido frio.

“Não uso para fritar porque sempre ouvi que o azeite perde todos os seus princípios ativos quando você o esquenta. Saber que é mito é ótimo. Por mim, usaria só azeite”, conta.

Veja na tabela ao lado outros mitos e verdades sobre o azeite de oliva.

Tire suas dúvidas

Azeite faz bem para a saúde

VERDADE. O azeite tem duas características muito boas para a saúde. A primeira é a composição de ácidos graxos (que formam a gordura), que, no azeite, ajuda a elevar o colesterol bom. A outra é a grande quantidade de substâncias antioxidantes, que diminuem o risco de doenças cardiovasculares, retarda o envelhecimento celular e ajudam até no controle da pressão arterial e na prevenção do câncer.

Azeite oxida quando aquecido e fica tóxico 
 
MITO. O calor do fogo não altera em nada a composição de ácidos graxos do azeite. O que ele faz é reduzir um pouco a concentração de antioxidantes – de 15% 
a 40%. Ou seja, ainda assim a maioria das suas propriedades benéficas à saúde é mantida. Usar o azeite para cozinhar não traz qualquer prejuízo à saúde, não forma substância tóxica, nem gordura saturada e, muito menos, gordura trans.

É melhor ingerir o azeite “cru”
 
VERDADE. Como vimos, o azeite frio mantém 100% das suas propriedades benéficas ao organismo, por isso, seu consumo “cru” acaba sendo um pouco melhor. Mas 60% a 80% desses benefícios também estarão presentes no azeite aquecido.

Azeite engorda
 
DEPENDE. Qualquer alimento ingerido em excesso pode engordar, até mesmo as frutas. O agravante é que cada grama de gordura tem mais calorias que o grama do carboidrato ou proteína. Ou seja, com moderação, ele é recomendado, mas abusar do azeite pode, sim, pesar na balança.

Azeite é bom para o colesterol e coração
 
VERDADE. Ele protege o coração e aumenta o colesterol bom do organismo 

Diminui a barriga
 
NÃO SE SABE. Não existe ainda comprovação científica para isso. Um estudo isolado apontou que sua ingestão diminui o percentual de gordura visceral. Mas seus resultados não são conclusivos.

O extravirgem é melhor para a saúde
 
MITO. Em termos de benefícios para a saúde, as vantagens do azeite tradicional são praticamente idênticas às do extravirgem. A diferença é a qualidade e o sabor, melhores no extravirgem. Por isso, a recomendação é usar o extravirgem – mais caro – para o consumo cru (em saladas, por exemplo) e deixar o tradicional para o preparo de alimentos.

Fonte: médico nutrólogo Carlos Alberto Nogueira de Almeida, da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran)

Voltar <<

Comentários